sábado, 19 de fevereiro de 2011

Quem matou o benjamin?

DSC07741

Uma árvore de pequeno porte, dessas conhecidas popularmente pelo nome de benjamin, muito comuns por ornamentar as ruas das pequenas cidades do interior do estado, se tornou motivo de polêmica em Xapuri, a cidade dita por muitos a capital mundial da ecologia.

Ocorre que alguém na calada da noite fez três perfurações no tronco do simpático vegetal e ali depositou generosas doses de algum tipo de veneno que está fazendo com que a árvore definhe rapidamente. Suas folhas amarelas e galhos ressecados indicam que sucumbirá em breve.

As pergunta que muitos estão se fazendo são: Quem matou o benjamin? E por qual motivo teria alguém atentado contra uma espécie que não causa nenhum tipo de prejuízos a pessoas ou ao espaço público?

DSC07743

A pequena árvore abrigava com sua sombra a tradicional barraca do Café da dona Maria, ponto de encontro de muito funcionários públicos que diarimente fazem  ali o desjejum antes de pegar no batente.

Dona Maria José Alves da Rocha, 68, afirma que trabalha naquele ponto há mais de 40 anos. Começou com sua mãe e deu sequência à atividade depois da morte da genitora. Para ela, será impossível permanecer no local sem a sombra da árvore.

“Foi uma maldade muito grande o que fizeram com a árvore. Não sei quem foi, mas que alguém quer me tirar desse lugar”, diz dona Maria, que aguarda ter um novo lugar cedido pela prefeitura para instalar sua barraca.

O popular José Carrilho, vendedor de CD’s, é outro que se queixa do atentado contra o pobre benjamin. “Nós até imaginamos quem possa ter feito isso, mas é quase impossível conseguir alguma prova”, lamenta.

Como recorda o blogueiro Joscíres Ângelo no seu Xapuri News, o caso não é o primeiro a ocorrer por essas bandas. No ano passado, a frondosa figueira que existia ao lado da Casa de Chico Mendes também morreu misteriosamente.

2 comentários:

Vlaydisson disse...

Raimari, além desse dois casos. Não foi citado aquele pé de benjamin que tinha em frente ao antigo El Dorado, próximo ao Hotel do Zé Nunes e da casa da minha vó. Aconteceu igualmente a este. Mas com uma só perfuração. Só que este já descobrimos quem foi.

MANGABA disse...

Isso sim é o que podemos chamar de crime ambiental, envenenar uma árvore que é tida como patrimônio do município, que traz sombra aos que lutam matinalmente por um lugar ao sol; Não, serrar madeira com licença ambiental federal, gerar 23 empregos diretos ao municipalidade, industrializar produtos madeireiros e seus derivados e exportando para outros municípios e outros estados, pagando impostos e gerando divisas e ainda assim taxados de marginais e bandidos pura e simplesmente por fazer-se valer a opinião de uma meia dúzia de "lideranças Ambientais" essas sim "bandidas" e egocêntricas surrupiando recursos públicos para custeio próprio e maquiando o feito agredindo o setor industrial. Entretanto, é completamente compreensível isso, já que não se paga impostos na aquisição ilícita de dinheiro público!