quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Breve história da Paróquia de Xapuri

Igreja Católica se prepara para realizar a 109ª Festa de São Sebastião.

Com informações do site da Diocese de Rio Branco.

A Igreja Católica, em Xapuri, teve suas origens na devoção dos primeiros nordestinos que chegaram nestas terras. Na época, as condições precárias faziam com que o sofrimento das pessoas crescesse a cada dia. A única esperança era buscar refúgio na proteção divina. Foi desta situação que surgiu a devoção a São Sebastião por estas bandas.

Em janeiro do ano de 1902, segundo os antepassados, um grupo de 100 pessoas se reuniu para homenagear São Sebastião, santo considerado protetor contra os flagelos, doenças, a fome e a guerra.

Até o ano de 1910, quem deu assistência religiosa nesta região foi o padre Francisco Leite Barbosa, que era pároco da paróquia Nossa Senhora de Nazaré de Lábrea. Antes, esta região pertencia à Diocese de Manaus, no Amazonas. Foi então, nesse ano de 1910, que o bispo de Manaus, em visita pastoral, veio a essa região e notou a necessidade de criar 4 novas paróquias. Foram elas: paróquia São Sebastião no Antimary, paróquia São Sebastião em Xapuri, paróquia Nossa Senhora da Conceição no seringal Empresa e paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição em Sena Madureira. 

Criada a paróquia de São Sebastião de Xapuri ficaram encarregados dela os padres: Benedito de Araújo Lima (1910 – 1913) e Joaquin Franklin Gondim (1914 -1916). Durante esses anos aconteceu uma grande crise religiosa.

Com a morte do sacerdote de Sena Madureira, Monsenhor Antonio Fernanes da Silva Távora, aos 13 de setembro de 1916, e a retirada dos dois padres de Xapuri, a região de Empresa, Xapuri, Sena Madureira e Antimary, foram confiados aos trabalhos de um único sacerdote, o italiano padre José Tito.

Com essa situação foram vários os males semeados que vieram abater-se sobre o povo, e o trabalho iniciado com tanto ardor, correu o risco de perder-se, uma vez que um só sacerdote, não podia atender tão vasta região.

Em 1921, após a criação da Prelazia do Acre e Purus,  confiada à Ordem dos Servos de Maria, foi designado para a paróquia de Xapuri o padre Felipe Gallerani. Nesse mesmo ano o padre Felipe convidou as Irmãs Servas de Maria Reparadoras, que já tinham uma comunidade em Sena Madureira, para também formarem uma comunidade religiosa em Xapuri.

Assim, a Igreja caminhou com mais firmeza e as Servas de Maria, trazendo as experiências de sua terra natal, iniciaram vários movimentos religiosos implantando-os em todo o Acre e também na Paróquia São Sebastião de Xapuri, juntando-os aos já existentes: Pia União das Filhas de Maria, Congregação Mariana, Confraria N. Srª. Das Dores, São Vicente de Paolo e Cruzada Eucarística.

Padre Felipe Gallerani ficou à frente dos trabalhos, em Xapuri, até o ano 1937. Voltou depois, em 1942, ficando até 1954. Durante o intervalo desses anos, ficou como pároco o padre Fernando Marchioni.

No ano de 1944 começaram os projetos para a construção de uma nova igreja matriz. A primeira pedra do novo templo foi colocada por ocasião da festa de São Sebastião, em 1945, homenageando assim os 25 anos da chegada dos Servos de Maria ao Acre.

No dia 11 de janeiro de 1953 foi inaugurada oficialmente a nova matriz com uma bonita celebração eucarística. No dia 25 de julho de 1956 os sinos foram colocados na nova torre da igreja. No dia 07 de maio de 1957 foram colocadas as estátuas de cimento de Santa Inês e de São Sebastião, que até hoje guarnecem a igreja, doadas pelo bispo Dom Júlio Matiolli.

E, assim, a história continuou. Também o padre José Carneiro de Lima deixou sua marca neste chão. Ele adorava o verde, a mata. Tudo o que era verde o atraía. Trabalhou na paróquia de Xapuri até 1979, quando foi transferido pra Rio Branco. Depois, em 1978, chegaram a Xapuri os padre Otávio Destro e Cláudio Avallone. Em 1980 chegou o padre Luciano.

Com a chegada dos novos vigários, a organização dos trabalhos na paróquia tomou novos rumos. Como nas demais paróquias foram organizados os grupos de evangelização, com a experiência das Ceb’s. Já nas comunidades do interior os padres continuaram realizando as conhecidas desobrigas.

Hoje a Paróquia conta com 32 comunidades espalhadas pelas diferentes regiões do município de Xapuri.

4 comentários:

nazareno oliveira disse...

Parabéns Raimari Cardoso, sua história é muito positiva e o melhor, certíssima. Com relação ao Padre Felippe Gallerani ele assumiu mesmo a Paróquia de Xapuri em 1921 e seu antecessor foi o Padre José Raimundo, aquele que participou da Revolução Castro Pinto em 11 de Agosto de 1919 em Rio Branco. Foi o Padre José Raimundo que iniciou essa festa em homenagem a S. Sebastião e isso correu por conta de Xapuri ser a região mais violenta do Alto Acre. Isso era uma forma de diminuir aqueles crimes que havia na cidade e aeringais. O Padre Felippe Gallerani quando assumiu a Paróquia deu continuidade à festa e ela existe até hoje. É bom lembrar que por conta de ter participado da Revolução Castro Pinto, o Padre José Raimundo perdeu o título de criador da festa e também a Igreja nem cita seu nome na História.

nazareno oliveira disse...

Parabéns Raimari Cardoso, sua história é muito positiva e o melhor, certíssima. Com relação ao Padre Felippe Gallerani ele assumiu mesmo a Paróquia de Xapuri em 1921 e seu antecessor foi o Padre José Raimundo, aquele que participou da Revolução Castro Pinto em 11 de Agosto de 1919 em Rio Branco. Foi o Padre José Raimundo que iniciou essa festa em homenagem a S. Sebastião e isso correu por conta de Xapuri ser a região mais violenta do Alto Acre. Isso era uma forma de diminuir aqueles crimes que havia na cidade e aeringais. O Padre Felippe Gallerani quando assumiu a Paróquia deu continuidade à festa e ela existe até hoje. É bom lembrar que por conta de ter participado da Revolução Castro Pinto, o Padre José Raimundo perdeu o título de criador da festa e também a Igreja nem cita seu nome na História.

nazareno oliveira disse...

Parabéns Raimari Cardoso, sua história é muito positiva e o melhor, certíssima. Com relação ao Padre Felippe Gallerani ele assumiu mesmo a Paróquia de Xapuri em 1921 e seu antecessor foi o Padre José Raimundo, aquele que participou da Revolução Castro Pinto em 11 de Agosto de 1919 em Rio Branco. Foi o Padre José Raimundo que iniciou essa festa em homenagem a S. Sebastião e isso correu por conta de Xapuri ser a região mais violenta do Alto Acre. Isso era uma forma de diminuir aqueles crimes que havia na cidade e aeringais. O Padre Felippe Gallerani quando assumiu a Paróquia deu continuidade à festa e ela existe até hoje. É bom lembrar que por conta de ter participado da Revolução Castro Pinto, o Padre José Raimundo perdeu o título de criador da festa e também a Igreja nem cita seu nome na História.

nazareno oliveira disse...

Parabéns Raimari Cardoso, sua história é muito positiva e o melhor, certíssima. Com relação ao Padre Felippe Gallerani ele assumiu mesmo a Paróquia de Xapuri em 1921 e seu antecessor foi o Padre José Raimundo, aquele que participou da Revolução Castro Pinto em 11 de Agosto de 1919 em Rio Branco. Foi o Padre José Raimundo que iniciou essa festa em homenagem a S. Sebastião e isso correu por conta de Xapuri ser a região mais violenta do Alto Acre. Isso era uma forma de diminuir aqueles crimes que havia na cidade e aeringais. O Padre Felippe Gallerani quando assumiu a Paróquia deu continuidade à festa e ela existe até hoje. É bom lembrar que por conta de ter participado da Revolução Castro Pinto, o Padre José Raimundo perdeu o título de criador da festa e também a Igreja nem cita seu nome na História.