quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Um pouco do polêmico Belchior

As letras das composições de Belchior, além do forte conteúdo social, buscavam incessantemente o diálogo com outros nomes da MPB ao ponto de fincar posições que contrariavam a direção estabelecida por outros músicos para os rumos da canção brasileira.

O primeiro exemplo é a canção Apenas um rapaz latino-americano, quando Belchior critica Caetano Veloso ressoando:

Mas trago de cabeça uma canção do rádio

em que o antigo compositor baiano me dizia:

- “Tudo é divino. Tudo é maravilhoso”

(...)

Mas sei que nada é divino

Nada é maravilhoso

Nada é secreto

Nada é misterioso

Não

Ele se referia à canção “Tudo é divino, tudo é maravilhoso” que tanto sucesso fez nos anos 70, mas que parecia soar como algo alienado diante de tantos problemas da realidade social. Caetano ainda é alvo de crítica em outra música de Belchior “Fotografia 3x4”, agora se referindo a ele textualmente em sua canção festivalesca “Alegria Alegria”:

Veloso, “o sol (não) é tão bonito” pra quem vem

Do Norte e vai viver na rua

E como quem não quer perder o costume, há uma referência à canção “Baby” de Caetano Veloso, gravada por Gal Costa na música “Coração Selvagem”, polemizando e afirmando o elemento nacional num período de intensa circulação de músicas estrangeiras nas rádios:

Meu bem,

vem viver comigo, vem correr perigo,

vem morrer comigo, meu bem, meu bem, meu bem.

Oh! Oh! Meu bem

que outros cantores chamam baby!

A peleja entre Belchior e os tropicalistas não para por aí. Em “Velha Roupa Colorida”, cujo título já contém uma forte ironia, o autor aponta sua navalha aos ideais hippies e aos valores tropicalistas vigentes e tentar anunciar um novo rumo à música popular brasileira – um rumo mais comprometido com a realidade política e social do país.

Mas nem tudo eram flores. Nada mais nada menos que Raul Seixas na canção “Eu também vou reclamar” chacota a posição de Belchior acusando-o de querer vender discos:

Mas é que se agora

pra fazer sucesso, pra vender disco de protesto

Tudo mundo tem que reclamar

Eu vou tirar o meu pé da estrada

E vou também entrar nessa jogada

E vamos ver agora quem é que vai agüentar

...

Ligo o rádio e ouço um chato

Que me grita nos ouvidos

Pare o mundo que eu quero descer

...

Apesar dessa voz chata e renitente

Eu não tô aqui para me queixar

E nem sou apenas um cantor

...

Eu já cansei de ver o sol se por

Agora eu sou apenas um rapaz latino-americano

Que não tem cheiro nem sabor

...

Mas agora eu também resolvi

Dar uma queixadinha

Porque eu também sou um rapaz latino americano

Que também sabe se lamentar

A crítica de Raulzito, cujo alvo também eram os compositores Silvio Brito e Hermes Aquino, se centrava na posição de que tudo aquilo, talvez se referindo à ditadura, era “nuvem passageira” . No entanto, Belchior quer dialogar e não deixa o homem que nasceu há dez mil anos atrás sem resposta. Em A palo seco ele diz:

Se você vier me perguntar por onde andei

No tempo em que você sonhava.

De olhos abertos, lhe direi:

- Amigo, eu me desesperava.

Sei que, assim falando, pensas

Que esse desespero é moda em 73.

Mas ando mesmo descontente.

Desesperadamente eu grito em português

E para não dizer que Belchior ficou ressentido, o músico gravou a excelente “Ouro de Tolo” de Raulzito em 1984 no LP “Cenas do Próximo Capítulo”. Com polêmicas saudáveis como essa só resta dizer, admitindo a saudade, que a MPB já foi muito mais interessante. Hoje, tem gosto de sopa de macarrão aguada e sem sal.

Fonte: Gazeta de Lagoinhas.

Um comentário:

Venceslau Pietro Pietra disse...

no estrondoso sucesso de "apenas um rapaz latino americano" (do belo disco de 1976) Belchior diz:
Por favor, não saque a arma no “saloon”, eu sou apenas o cantor
ouvindo a faixa da música "eu também vou reclamar" (também de 1976) observa-se a ênfase dada ao artigo "o" na frase: "E nem sou apenas 'o' cantor"
Desse modo, creio que Raulzito está apenas marcando presença e dizendo "porque EU fui o PRIMEIRO e já passou tanto janeiro..."
acho que o Raul levou um choque com o sucesso do Belchior e tentou dizer: tô aqui gente!
foi o primeiro rockeiro, ok! parabéns!  mas Raul foi muito mais.... Raul misturou baião com Rock (se bem que Chico Buarque fez a belissima "Baioque"!!) fez coisas belissimas!!! "metrô linha 743", "é fim de mês" e as clássicas que todos conhecem.