sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Carreta bate em Portal



Uma carreta que fazia o transporte de containers contendo equipamentos da usina termelétrica da empresa Guascor, recém-desativada em Xapuri, bateu no portal Augusto Castelo Branco de Figueiredo, no início da Estrada da Borracha, provocando sérios danos à estrutura que marca a entrada da cidade. O acidente aconteceu por volta das 5 horas da manhã, quando o veículo saía da cidade com destino a Rio Branco. Apesar da força do impacto, ninguém ficou ferido. No entanto, os pilares que sustentam o portal ficaram com grandes rachaduras em sua base, como também na sua parte superior.



Construído na administração passada e considerada a menina dos olhos do ex-prefeito Wanderley Viana, o portal foi motivo de polêmica desde a sua concepção. Muita gente, inclusive eu, fez críticas à obra pela sua evidente inutilidade e por se constituir em um enorme desperdício de recursos públicos que poderiam, por exemplo, ser investidos na recuperação de ruas e em outras ações de melhoramento da precária estrutura urbana do município.

O Ministério Público Estadual também cismou com o fato de a prefeitura jamais ter oferecido ao público informações sobre a quantidade e a origem dos recursos utilizados, prazo de conclusão das obras e processo de contratação da firma executora. Em julho de 2007, o MP instaurou inquérito civil público para investigar o favorecimento da empresa responsável pela execução dos serviços ou, no mínimo, a não observância dos termos da legislação quanto à realização do processo de concorrência pública. Até hoje, porém, não se sabe do resultado do inquérito.

Desde quando foi inaugurado, o portal foi testemunha de vários acidentes envolvendo principalmente motocicletas. Além de aparentar ter sido mal projetado, o monumento está localizado em uma curva e as obras de construção destruíram o asfalto das pistas de rolamento, que jamais foram recuperadas. Resta a atual administração decidir se vai recuperar a obra ou demolí-la, o que eu, particularmente, acho ideia bem mais interessante.

5 comentários:

reginaldo disse...

Carissimo Raimairi,tai uma grande oportunidade do Prefeito Municipal resolver dois problemas, uma de estética e outra de segurança.

Milena Barros disse...

É uma pena! Apesar de ter causado e ainda causar tanta polêmica esse portal ainda dava um pouquinho de ar de onde "aqui já houve uma cidade"...

Amigo de Xapuri disse...

É por isso que Xapuri não anda pra frente por conta desse tipo de coisa, pois os prefeitos que já passaram fizeram muito pouco e esse pouco, ainda é destruido por causa da politicagem suja que infelismente continua imperando nessa cidade,e tem gente que surgere e torçe para que as coisas já feitas sejam demolidas, a verdade é que a maioria dessas pessoas que dão esses tipos de sugestões não são xapurienses e não querem o bem de Xapuri, e sim só ganhar dinheiro para o seu bem está pessoal, essa é a triste realidade, enquanto existir isso Xapuri nunca irá desenvolver realmente.

Gewan disse...

Caro Raimari e amigos do blog, estou encaminhando uma breve HISTORIA do meu avô, Augsuto, que foi homenageado no portal de Xapuri. Acho que deveriam, se for o caso, adequar o portal, mas jamais destrui-lo.

"Augusto Castelo Branco de Figueiredo nasceu em Fortaleza no dia 01 de Janeiro de 1911, mas foi criado em Xapuri onde seus pais, João Ramalho de Figueiredo e Adelaide Castelo Branco de Figueiredo, fixaram residência.
Augusto teve 12 irmãos, sendo 06 nascidos em Xapuri. O Sr. João Ramalho participou da Revolução Acreana e contribuiu com diversas melhorias para a cidade. Em 1936, retornou a Fortaleza com a família e não mais voltou ao Acre.
Augusto não os acompanhou, permaneceu morando em Xapuri e trabalhando em embarcação, o único meio de transporte, por muitos anos, na rota: Xapuri X Brasiléia e Xapuri X Rio Branco.
Em Fevereiro de 1942, casou-se com Maria Adélia Xavier de Lima e tiveram 05 filhos: Adelaide, Wanda, Carlos Augusto, João e Vera Lúcia.
Em 1952, Augusto Castelo Branco de Figueiredo foi nomeado funcionário da Coletoria Federal de Xapuri, permanecendo até sua morte em 09 de Julho de 1962, ocorrida em Belém do Pará.
Essas poucas palavras permitem vislumbrar a curta vida de 51 anos, mas cheia de nobreza, do Cearense, porém Acreano e Xapuriense de coração, Augusto Castelo Branco de Figueiredo.

Muito Obrigado,

Adelaide disse...

Sou Adelaide L. F. Eluan, filha primogenita de Augusto C. B. de Figuieredo, moro em Belém a 42 anos desde que casei com Elizio jorge Eluan.
Fiquei muito feliz quando soube da homenágem que fizeram ao meu pai.
Fico pensando, esse acidente com o portal terá sido proposital para forçar ou justificar a demolição?!
Em política tudo pode. Ficarei acompanhando o que vão resolver.