quarta-feira, 12 de maio de 2010

A Estética do Futebol

clip_image002

Clenes Alves

Desde o último dia 27 de abril está montada no Museu do Xapury a exposição Estética do Futebol e Outras Imagens, do artista plástico Rubens Gerchman, abrindo a programação em Xapuri da 8ª Semana Nacional de Museus.

A exposição itinerante faz parte do projeto ArteSESC, que tem o objetivo de realizar exposições itinerantes nos departamentos regionais do Serviço Social do Comércio e em instituições das comunidades, criando espaços e oportunidades que asseguram o acesso às mais significativas manifestações nessa área.

A exposição Estética do Futebol e Outras imagens oferece a oportunidade do público conhecer as obras criadas por um dos mais importantes artistas brasileiros da atualidade – que já expôs em diversas galerias do Brasil e do Mundo – mas ainda desconhecido por parte da população nacional.

A exposição feita em serigrafia e outras técnicas, dentro do tema atual “futebol-arte”, coincidindo com a Copa do Mundo, é inspirada nos grandes talentos da seleção de hoje e de ontem, individualiza as expressões dos jogadores, explora os movimentos e seu ritmo, controlando-os dentro do espaço restrito da tela, como eles controlam dentro do espaço restrito da pequena área – paixão nacional e do próprio artista.

Pode ser visitada de Terça-feira a sábado das 08h às 18h e domingo das 09h às 13h, onde o atendimento é feito pelas simpáticas guias do Museu do Xapury: Mariana Mathias e Mirla Rhanna, sob coordenação da gravidíssima Caticilene Rodrigues.

Na ilustração, uma das obras da exposição, onde Gerchman faz uma homenagem ao grande jogador Garrincha.

Sobre Rubens Gerchamn

Nascido no Rio de Janeiro em 1942 Gercham foi um artista plástico ligado a tendências vanguardistas como a pop art e influenciado pela arte concreta e neoconcreta. O artista usou ícones de futebol, TV e política em suas obras[.
Entre 1957 e 1958, estudou desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, em aulas noturnas. Nos oito anos seguintes trabalhou como programador visual em revistas e editoras do Rio.

Em 1965, participa da Bienal de São Paulo e da Mostra Opinião-65, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Da mostra, que adota uma perspectiva estética da pop art americana e do novo realismo europeu, participaram, além de Gerchman, Hélio Oiticica, Vergara, Ivan Serpa, Flávio Império, Roberto Magalhães, entre outros.
Foi premiado no Salão Nacional de Arte Moderna (1967) com uma viagem aos Estados Unidos, permanecendo em Nova York, entre 1968 e 1972, realizando várias exposições.

Em 1981, participa da mostra Do Moderno ao Contemporâneo - Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM do Rio de Janeiro, ao lado de Roberto Magalhães, Di Cavalcanti, Guignard, Tarsila do Amaral, Goeldi, Djanira, Antonio Bandeira, Lygia Clark, Amilcar de Castro, Milton Dacosta, Anna Bella Geiger e Frans Krajcberg.
Em 1989, expôs em São Paulo a série Beijos. Durante a exposição, também lançou o livro Rubens Gerchman, sobre seus trinta anos de pintura. Desenvolveu uma intensa carreira, participando de inúmeros eventos no Brasil, Argentina, México, Estados Unidos, Canadá, Portugal, Inglaterra, França, Bélgica, Alemanha, Japão e outros.

Faleceu em 29 de janeiro de 2008, de um tipo raro de câncer, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

A exposição fica por todo o mês de maio no Museu do Xapury - que está localizado no endereço: Rua Cel. Brandão, nº 156 – Centro, Xapuri – Acre.

Clenes Alves é acadêmico dos Cursos de Ciências Econômicas da UFAC e Teatro da UAB/UnB, ator dos Grupos de Teatro Poronga e Arte na Ruína e contador de histórias do Grupo Fuxico de Contadores de Xapuri.

Um comentário:

acre disse...

Interessante notar que essa exposição no Museu de Xapuri é uma surpresa. Os quadros são uma fortuna (porque o artista é famoso internacionalmente) e em Belo Horizonte tentamos colocar essa exposição dentro do museu da universidade que trabalho mas nos foi negado.
Aproveitem porque para conseguir essa exposição na cidade de vocês deve ter sido muito difícil mesmo (e vale a pena conferir).

André Colle - Acriano, morando em BH há 12 anos. Saudades do meu Acre querido.