sábado, 19 de setembro de 2009

Assalto atrapalhado em lotérica de Xapuri

Lamberto Ribeiro Filho, o Pida, proprietário da casa lotérica Globo da Sorte, em Xapuri, tinha a certeza de que mais cedo ou mais tarde seria assaltado. Em janeiro passado, a Polícia Militar chegou a fazer plantão nas imediações das agências do Banco da Amazônia, dos Correios e da própria lotérica - que se localizam no mesmo quarteirão a apenas alguns metros de distância uma da outra - temendo a ocorrência de um assalto que não aconteceu em Xapuri mas em Plácido de Castro, na agência dos Correios. Naquela oportunidade, o dono da lotérica fora avisado de que uma ação de bandidos estaria sendo planejada para aqueles dias.

Desta vez, não houve aviso e o assalto realmente se consumou. No entanto, o que mais chamou atenção não foi a ação do assalto, coisa rara em Xapuri, mas sim a sequência de trapalhadas cometidas pelos assaltantes - cinco no total - que acabaram todos presos poucas horas depois do roubo no centro da cidade. Lamberto Ribeiro, o proprietário, conta que eram por volta das 2:20 da tarde da última quinta-feira (17) quando dois homens entraram na lotérica. Um deles pediu uma "raspadinha" para em seguida mostrar um revólver e anunciar o assalto. Recolheram o dinheiro da gaveta, que foi colocado em um envelope e saíram do local.

As trapalhadas começaram antes da fuga. Primeiro, não chegaram a perguntar pela localização do cofre, se contentando com míseros R$ 2.400,00 encontrados na gaveta, o que não renderia R$ 500,00 para cada um dos facínoras. Em seguida, na fuga, não conseguiram trancar o dono da lotérica no prédio, que sem ter sido amarrado, acionou a polícia em poucos segundos após a retirada dos atrapalhados bandidos. Perseguidos pela Estrada da Borracha, os assaltantes, que utilizavam um táxi Fiat Uno no roubo, entraram em um ramal sem saída, o que facilitou o trabalho dos agentes civis que faziam a perseguição.

Inicialmente, três dos suspeitos foram presos, entre eles José Nilton Oliveira Nascimento, que possui apenas uma das pernas e que, sendo xapuriense, seria, de acordo com a polícia, o responsável pelas informações sobre a rotina ca casa lotérica. Os demais presos são: Aloildo Nerys da Silva, o taxista, residente no bairro Cidade Nova, em Rio Branco, responsável por trazer os assaltantes a Xapuri e dar fuga aos mesmos; Renato Cruz de Almeida; Jameson Alves Nogueira e Fábio André de Araújo, os dois últimos presos posteriormente, quando já estavam atravessando a fronteira com a Bolívia.

Um comentário:

cleydinha disse...

é facil vc acusar ... mais nem sempre as coisas são como pareçe... mais DEUS é fiel..